ENGOBES


Engobe é um composto argiloso no estado liquido, para ser aplicado em peças cruas ou biscoitadas, com a finalidade de ocultar a cor original da peça, ou então servir de fundo para diversos tipos de decoração ou esmaltes.

Os engobes foram o primeiro produto que o homem usou para a decoração de peças cerâmicas. As primeiras peças que conhecemos se originam do médio vale da Mesopotâmia e datam de cerca de 6.000 anos AC.  Os famosos mosaicos árabes precursores dos azulejos (que significa pedrinha pintada) são exemplo de peças decoradas com engobes. Os egípcios utilizaram os engobes em grande escala produzindo peças engobadas e brunidas que depois de queimadas tinham um aspecto mais liso e um brilho acetinado.

A terra sigilata, bastante usada pelos gregos, é um englobe, com a adição de óxidos colorantes utilizado com fins decorativos e estéticos, e também com a finalidade de identificar os diversos fabricantes de cerâmica, foi daí que surgiu o nome sigilata que significa ” sigilo + selo”.A maiólica também teve origem usando-se englobe, pois para destacar os desenho coloridos, era preciso um fundo branco para cobrir a argila terracota .

Para a indústria de pisos e azulejos, os engobes são imprescindíveis e relevantes, inclusive para os porcelanatos. Para esse segmento da indústria cerâmica os engobes constituem uma camada intermediária entre o suporte e o esmalte.

Eles melhoram o acoplamento entre o vidrado e a base cerâmica, melhora o equilíbrio das dilatações, e com isso, evita o surgimento de gretamento nos vidrados. Eles também auxiliam e muito no controle do empenamento principalmente em peças planas.Para estes casos os engobes são constituídos de uma ou mais argilas, com a adição de fritas, caulins, pegmatitos ou outras matérias primas não plásticas.

Os engobes são também utilizados, para opacificar o suporte cerâmico, atenuar as diferenças físico-químicas entre o suporte e o esmalte, diminuir a quantidade de defeitos que podem ser provocados ou acentuados pelo suporte cerâmico.

As características físico-químicas dos engobes são mais próximas da massa cerâmica do que das dos esmaltes, pois os engobes na sua formulação tem um elevado teor de argilas.

Em termos de produção, a quantidade de engobes produzida é bem próxima do total de esmaltes produzidos. No Brasil a produção mensal de engobes beira a 50 mil toneladas.

Engobe e arte

No campo da cerâmica artística os engobes podem ser divididos em estéticos e auxiliares. Os estéticos cobrem as bases cerâmicas com a finalidade de restringir a predominância da cor da massa. Também facilitam o recebimento de outras decorações, e encobrem imperfeições da base cerâmica.

Os auxiliares melhoram o acoplamento do vidrado à base cerâmica, equilibra a dilatação entre a massa e o vidrado. Possibilita aumentar a velocidade de queima das peças esmaltadas. Diminuem a ocorrência de furos. Proporciona uma camada uniforme ao vidrado. Por ter alto teor de argila, aumenta a resistência a cru do corpo cerâmico, e impermeabiliza o corpo cerâmico impedindo a penetração de umidade.

Existem também os engobes reativos, que utilizam na sua composição fritas altamente fundentes e reativas ou óxidos metálicos, que provocam um efeito diferenciado nos vidrados aplicados sobre eles. Lembramos que a cor do engobe é sempre a cor de queima das argilas que compõem sua formulação ou do corante utilizado.

Recomendamos no preparo do engobe, usar um pouco de silicato de sódio, para uma melhor cobertura da peça e evitar a sua decantação. Não é necessário o uso de CMC. O engobe uma vez preparado, pode ser aplicado à peça cerâmica como um esmalte  (banho, imersão, pincel, pulverização). Ele também pode ser aplicado à peça crua, para servir de base a decoração.

 As quatro técnicas mais comuns de utilização em cerâmica artística são:

Esgrafito – retira-se o engobe que esta sobre o desenho da peça, para que a cor do desenho apareça.

Nishima – Preenche-se um risco feito na peça engobada ou não, com engobe de outra cor e depois dá-se o acabamento.

Polimento – Após passar o engobe na peça em ponto de couro, deve-se alisa-lo com auxílio de uma colher, uma espátula de plástico ou qualquer outra ferramenta lisa.

Patinado – Com a peça seca e engobada, passa-se uma lixa, palha de aço ou grosa, para que parte do biscoito apareça.

A seguir uma fórmula simples de engobe.  (%)

                                           

Argila branca            50       

Quartzo                       8          

Caulim                         7       

Feldspato                  15       

Dolomita                     2        

Calcita                          6
                     

Frita Transparente        17


fonte:http://luleaoraku.blogspot.com/2019/05/tecnicas-de-decoracao-com-engobes-de.html